Tá rolando... - 12ª edição




1. LIVRO “DAS RIBEIRAS O TESOURO, DA RECEITA O SUSTENTO: A ADMINISTRAÇÃO DA PROVEDORIA DA FAZENDA REAL DO RIO GRANDE (1601 – 1723)”, POR LÍVIA BARBOSA:


É mais uma edição da EDUFRN, foi lançado no último dia 30, no Youtube, no canal do Laboratório de Experimentação em História Social, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LEHS/UFRN). O evento ocorreu com a palestra da autora da publicação, a professora e historiadora Lívia Barbosa, mediada pela professora Carmen Alveal, do Departamento de História da UFRN. O link para a palestra, aberta a todas as pessoas interessadas, é: https://youtu.be/KoxImi678yc. O tema que este livro trata está ligado à perspectiva da História administrativa e concentrado na Provedoria da Fazenda Real do Rio Grande. Ao compreender a estruturação da Provedoria da Fazenda Real do Rio Grande, a autora reconstitui parte de alguns elementos que formaram o espaço colonial da capitania do Rio Grande. A cada provisão de ofício, a cada lance dado pelo arrematador interessado nos ganhos com os contratos da capitania, Lívia Barbosa reconstitui em partes como funcionava a administração fazendária do Rio Grande, movida por homens a serviço da Coroa, mas não isentos de seus próprios interesses. Este livro demonstra que, com base nessa dinâmica, consolidaram-se espaços de arrecadação de tributos e manteve-se, mesmo com percalços, o pagamento das despesas da capitania. Foi nesse sistema que das ribeiras proveio o tesouro da capitania do Rio Grande – a arrecadação de tributos –, tornando-se possível a sua receita e, consequentemente, o seu sustento. O livro é resultado da dissertação de mestrado da autora, defendida e indicada para publicação em 2017.

Link para download do livro: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/32607?fbclid=IwAR3OfoWeWDNdclRmG0WttH_g1ou6_o_R565MXryfCxaEW_6vAdMDrnSCg9c



2. EP “MOTUMBASÈ, MOTUMBÁ?", DA ARTISTA POTIGUAR OYÁ IYALE


O EP "Motumbasè, Motumbá?" foi lançado no dia 10 de julho. E, com a benção da ancestralidade, o álbum veio para celebrar a fé, a cultura, os corpos, os ritmos e a musicalidade do povo preto. O EP "Motumbasè, Motumbá?" é fruto de um projeto contemplado pela Lei Aldir Blanc, através da Fundação José Augusto, Estado do Rio Grande Do Norte. A produção reuniu: Oyá Iyalê (composição e voz), Kleber Moreira (percussão, produção e direção musicial), Rannah Duarte (percussão), Iury Matias (violão e guitarra), Analuh Soares (backing vocals, preparação e direção vocal) , GabyVarela (backing vocals), Diogo Mãozinha (fotografia). Arte: Cattaprisma. O EP pode ser conferido em todas as plataformas musicais! Confiram a rede social da artista: @oya.iyale



3. CANTORA E COMPOSITORA POTIGUAR ANANDA K LANÇA SINGLE “FEITIÇARIA”:


A cantora e compositora, Ananda K traz em sua bagagem mais de 11 anos de carreira e consagra seu trigésimo ano de vida com o lançamento de “Feitiçaria”, single que também dá nome ao seu primeiro álbum autoral, com lançamento previsto para agosto. “Sempre enfrentei os desafios de construir um trabalho autoral e acreditei que seria possível atingir os corações com tudo aquilo em que eu acreditava”, diz Ananda sobre sua estreia autoral. A artista, filha do cantor e compositor, Gilson de Moura, vem se renovando e se encontrando a cada dia, refletindo sobre sua missão, sua trajetória e seu propósito com a música. Apesar de uma grande carga autobiográfica, “Feitiçaria”, vem com canções que têm a característica de envolver e cativar o público, provocando o sentimento de identificação e aproximação com as letras e as histórias nelas contadas. A produção do álbum ficou a cargo de Diego Francisco, com mixagem de Yves Fernandes, direção artística de Anderson Foca e masterização por Eduardo Pinheiro, todos técnicos e produtores potiguares. O clipe da canção também está em andamento e deve ser lançado nas próximas semanas. O Lançamento é do Dosol (@festivaldosol), dentro das comemorações de 20 anos do combo cultural. Segue o link pra ouvir o single em todas as plataformas digitais: https://onerpm.link/Feticaria

Confiram as redes sociais: @anandakoficial


4. @DOT.TATOO


Carina Ribeiro tem 29 anos e é formada em design gráfico. Conhecida como “Carina Dot”, ela tatua há 7 anos e desenvolve trabalhos com desenhos personalizados, coberturas, aquarela, fineline, botânica/floral e minirealismo. Além de tatuadora, Carina Dot também faz histórias em quadrinhos.

Confiram o seu instagram @dot.carina e os sites: https://www.catarse.me/assinaturadot e https://www.dottattoo.com.br/



5. LIVRO “O ESTADO NOVO NO CONTROLE DA INFORMAÇÃO COTIDIANA: O CASO DA CIDADE DE NATAL (1941-19430)”, POR FERNANDA COSTA:


Esse livro nasceu de uma série de quereres, de um hiperfoco que achou na pesquisa acadêmica caminho para se desenvolver e que vem da estrutura de uma pesquisa de mestrado em Ciência da Informação, mas que antes foi pensado em dois trabalhos de conclusão de curso respectivamente em Biblioteconomia e História. Além disso, a obra foi um resgate da própria identidade natalense da autora, pois, assim como ela, outros tantos natalenses e norte-rio-grandenses crescem escutando sobre a importância de Natal na segunda guerra mundial, mas nunca passam dos mesmo clichês “fomos os primeiros a tomar coca cola”, “palavra x, y e z são do tempo de convivência com os americanos” ou “fomos importantes porque era aqui que os aviões passavam antes de ir para a África e Europa”. Apesar dos tantos clichês que alimentam o imaginário sobre o período, com a importância e a festas que foi tudo isso em Natal, mesmo no meio de tanta dor e tristeza na maior parte do mundo em guerra e os terrores nazifascistas, ainda temos uma série de perguntas a fazer a esse período da história de Natal, do Rio grande do Norte e do Brasil na guerra. Assim, tendo como parte do objeto a informação e sua compreensão no cotidiano, muitas perguntas foram sendo feitas, o contexto histórico é apresentado para mostrar como o aparelhamento do Estado Novo carece de necessária compreensão para as narrativas memorialísticas com as marcas indissociáveis do que podia ser dito e do que se recheia os não ditos. Isso faz com que, os três anos estudados nesta pesquisa, tragam com riqueza detalhes do cotidiano de Natal e da Guerra através dos olhares daqueles que tinham algum poder para criar expressões escritas dentro do universo jornalístico estudado e de como o memorialístico informacional pode dizer sobre. O livro pode ser encontrado para download gratuito no site do Selo Nyota: https://3b2d7e5d-8b9a-4847-aa3e-40931d588fb7.filesusr.com/ugd/c3c80a_2e267b5947674d6c844fd62c597e2743.pdf.


6. HISTÓRIA PARA ENEM (@historiaparaenem)


Idealizado pela historiadora Ristephany Kelly da Silva Leite, o História para Enem foi criado no período em que as discussões sobre o adiamento da prova do ENEM 2020 estavam ocorrendo, o História para ENEM se propôs a ser mais uma ferramenta de auxílio no processo de aprendizagem dos estudantes que iam realizar a prova. Funcionando com vídeos curtos de resoluções de questões, acompanhados de postagens escritas com as mesmas questões dos vídeos, para os estudantes que não possuíam muito acesso à internet, e com o envio de PDFs para os e-mails daqueles que não tinham como estar no Instagram diariamente, o projeto cresceu e extrapolou o conteúdo das provas do ENEM. Percebendo a necessidade da divulgação da produção historiográfica e de debates mais amplos com a sociedade, hoje o projeto continua trabalhando com as questões do ENEM, mas traz a produção acadêmica de forma rápida e simples para o dia a dia das pessoas, por meio de postagens com discussões importantes para a sociedade, sempre acompanhadas de indicações de leituras, músicas, filmes e documentários para os que desejam aprofundar seus conhecimentos.

Confiram a produção de conteúdo de qualidade na página do Instagram @historiaparaenem



7. UM ANO DO CANAL E SELO LITERATURA FEMININA, DA POETISA POTIGUAR JEOVÂNIA P. :


A literatura feminina cada dia mais vem ganhando força, nos últimos anos com a criação do Mulherio das Letras e sua disseminação, pelo país e fora dele, vem provocando uma revolução literária, que preza por evidenciar uma literatura que por séculos foi invisibilizada, isto é, a produção literária feita por mulheres. Crescemos em um mundo que defende uma sociedade falocêntrica, embranquecida e preconceituosa, sendo assim, a tomada de consciência da nossa potencialidade transforma essa realidade preestabelecida. Quando mulheres que escrevem se reúnem e juntam forças para mostrar para o mundo que suas escritas são potentes, e que elas estão aqui para ficar, adentramos a uma nova Era. Que como bem coloca a matriarca, Maria Valéria Rezende, horizontaliza o espaço literário, dando assim uma nova forma à literatura, uma onde todas as escritoras podem se sentar a mesma mesa e debaterem como iguais, independente de serem iniciantes ou com longos anos de estrada, todas em uma mesma caminhada e juntas. É nesse espírito de luta pela valorização e visibilidade do que vem sendo produzido por mulheres escritoras que nasce Literatura Feminina, tanto o canal quanto o selo. O canal surgiu junto com o projeto “Bom dia com literatura feminina”, onde todos os dias às 7:00 horas são publicados vídeo de mulheres recitando mulheres, não apenas se auto declamando, mas também nos apresentado outras escritoras, criando o laço que se forma quando uma mão segura outra, e de repente há uma imensidão de braços dados, tudo isso lá no nosso canal do YouTube Literatura Feminina: https://www.youtube.com/channel/UcjLppp_PfR6WkEaqHLNMuxA .

Esse espaço não só propaga a literatura feita pelo mulherio, como auxilia na construção de uma rede que vem se solidificando diariamente, a partir da união das companheiras. Estas buscam juntas meios de superarem as dificuldades do mercado editorial, dos preconceitos sociais, da autoafirmação e reconhecimento de si enquanto escritora. Coisas que são necessárias para trilhamos nosso caminho, assim como essa resistência que se efetiva a partir da comunhão de umas com as outras. Esta parceria literária vem dando muitos frutos, e completa um ano de um canal e de um selo que se fez por meio dessa confluência que está rendendo até a produção literária impressa, pois as coletâneas “O Livro das Marias” e “Escrituras Negras” são prova disso. Seguindo esse movimento, o e-book “Sinergia”, uma obra que proclama a parceria entre escritoras, logo ganhará versão impressa e foi lançado no dia 15 de julho com um sarau de lançamento do sarau disponibilizado no link de acesso à obra. Essa coletânea conta com a presença de 41 (quarenta e uma) autoras, mais a participação especial de Maria Teresa Moreira que faz a apresentação e a arte da capa é baseada em quadro da artista plástica Sayonara Pinheiro.